SE LIGA!

Bora falar um pouquinho sobre diversidade?

Publicado em: 26/05/2022 às 15h39

 Por EMEF Idêmia de Godoy,  Katiucia da Silva Figueiredo e Luis Henrique Ferreira Cavalcanti

 

“Já é tempo de sonhar, superar o pesadelo”, música Raízes, Negra Li

 

Quando se fala na ideia de diversidade, o que vem à sua mente?

Ao considerarmos a diversidade, é importante lembrarmos que cada ser humano é um, com suas próprias características, suas próprias visões de mundo, suas próprias opiniões, portanto cada sujeito interage e age de acordo com suas vivências.

Se nos respeitarmos e respeitarmos os outros, se respeitarmos nossas especificidades e as especificidades do outro, teremos grandes chances de conseguir ultrapassar as barreiras do preconceito, ter boas convivências e trocar boas experiências. Afinal, quando nos abrimos ao novo, nos abrimos também às possibilidades e, consequentemente, aprendemos mais com o outro. E por falar em aprender, você já ouviu falar do Currículo da Cidade? Não? Então cola nestes links abaixo. Lá estão muitas das coisas que a gente aprende nas escolas do município de São Paulo. Nele, dentre outros assuntos, há três ideias muito importantes: equidade, integralidade e inclusão.

https://educacao.sme.prefeitura.sp.gov.br/apresentacao-do-curriculo-da-cidade/

https://curriculo.sme.prefeitura.sp.gov.br/

Por causa do preconceito, muitos na sociedade têm passado pela não aceitação de si mesmo. Pensando nisso, na EMEF Idêmia de Godoy foi desenvolvido um projeto idealizado pela professora Gislaine, para valorização de si mesmo tal como se é, independente da cor da pele ou do tipo de cabelo.

 

CABELO BOM? SIM.

Gislaine de Araújo Lima de Carvalho

 

Chega uma hora que você se rebela

Não aguenta tanta hipocrisia

Os padrões da sociedade não quer mais seguir

Quer deixar de fingir

Tira a fantasia que não pertence a você

Não importa o que vão dizer

Cabelo alisado? Não te satisfaz?

Escova e chapinha? Então deixa pra trás

Cabelo cacheado, cabelo crespo, não contempla sua visão,

Então olha para o outro lado meu irmão

Se é feio ou bonito

Eu que tenho que achar,

A beleza não pode ser codificada a partir do seu olhar

Seus atributos? Não use para me comparar

Pare de me julgar

Cada um tem gostos diferentes

Apreciam qualidades diversas

Suas preferências, suas referências

Ah! A mim não interessa

Fica uma dica meu parsa

É para você que estou falando

Não disfarsa!

Aprenda que as pessoas são mais que cascas.

Para abrilhantar nosso projeto, tivemos a participação do Otto, de 2 anos, do CEU CEI Silvana Aparecida Tobias Profª.

Assista no link abaixo:

https://www.youtube.com/shorts/g07r0u9uMz4

 

Cabelo5 Cabelo4 Cabelo 3

 

Ainda pensando na diversidade, os estudantes do Ciclo Autoral refletiram sobre ela, a partir da discussão de temas super atuais que revelam, inclusive, as perspectivas dos adolescentes sobre aquilo que eles mais se interessam como, por exemplo, diversidade sexual e de gênero, cultura, violência, sustentabilidade, saúde, curiosidades geográficas e biologia.

Em relação à diversidade sexual e de gênero, eles abordaram a sigla LGBTQI+, sobre cultura, destacaram o funk, mangás, séries e cinema, favela e seus talentos e entretenimento. Quanto à violência, falaram sobre drogas na adolescência, relacionamentos abusivos, racismo, assaltos no mundo e desigualdade social. No item sustentabilidade, focaram em resíduos e reciclagem.  No quesito saúde, rolou um papo sobre câncer de pele, HPN, legalização do aborto, ansiedade e depressão. Sobre curiosidades geográficas, o foco foi em desastres naturais. Para finalizar, sobre biologia, abordaram os moluscos.  Foi isso. De tudo um pouco.

 

Katiucia da Silva Figueiredo – Psicopedagoga Institucional – NAAPA/DRE Guaianases

Luis Henrique Ferreira Cavalcanti – Estagiário de Psicologia no NAAPA/DRE Guaianases

 

Cada um que chega, traz a sua história
28/03/2022 às 12h39

Cada um que chega, traz a sua história

Por Equipe NAAPA – DRE Freguesia/Brasilândia. Cultive o hábito de ver o invisível. John Piper Os povos migrantes estão cada […]

Cl3
06/12/2021 às 13h03

Gritaram-me negra

Por Leia Ramos   “Gritaram-me negra”, foi uma performance realizada pelo projeto AEL da EMEF Modesto Scagliusi. As estudantes fizeram […]

Gl1
05/01/2022 às 13h55

Ninguém é como eu

Por Glaucia Aparecida de Oliveira Ninguém é como eu… Nem pensa exatamente como eu… mas, mesmo com tantas diferenças, tem […]